Banner da lição da escola bíblica vigentePara se se ter uma vida espiritual saudável, a busca diária através da oração e da leitura bíblica não é algo opcional. Se quisermos permanecer de pé espiritualmente, mesmo sendo bombardeados todos os dias pelo inferno e todos os tipos de tentações, é imprescindível buscar na fonte eterna, que é Cristo Jesus, forças para cada dia de batalha. Cada cidadão do Reino de Jesus deve tomar sua carne, suas vontades e lançar-se de vez, sem olhar as circunstâncias adversas.

Receba os Devocionais

  Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.    

2 Timóteo 3:16-17

INTRODUÇÃO

   Quando lemos toda a Bíblia, nela encontramos diversos textos que se apresentam nos variados tipos textuais. Há textos puramente descritivos, pois Deus é um Deus de detalhes, Ele ensina ao homem sobre coisas materiais e espirituais, para que o homem não se desvie da Sua vontade. Em êxodo podemos ver a precisão, o equilíbrio, a objetividade do Senhor! Vejamos a perfeição dos detalhes dito por Deus: “A cinta, que passará por cima da faixa sacerdotal, deverá ser feita com arte. Será também de ouro e de linho fi no trançado, azul, púrpura e carmesim. “Pegue duas pedras de ônix, e grave nelas os nomes das tribos de Israel. “Seis nomes em cada pedra, por ordem de nascimento dos filhos de Israel. “Para gravar os nomes, use a técnica usada para gravar selos. E encaixe as pedras em bases de ouro. “Fixe as duas pedras na faixa sacerdotal - na parte dos ombros. Servirão para manter viva a lembrança do povo de Israel. Para isso, Arão levará sempre nos ombros os nomes das tribos, diante do Senhor. “Faça também encaixes de ouro e duas correntes de ouro puro trançado. Prenda as correntes nos encaixes” (Êx 28:8-14 VIVA). Essa passagem bíblica fala da feitura da estola sacerdotal de Arão, irmão de Moisés, escolhido como sacerdote pelo próprio Deus.

   Há textos narrativos, que contam uma história, como o cerco às muralhas de Jericó liderado por Josué(Josué 6); a libertação de Ló pelo seu tio Abrão(Gênesis 14); a história de Jonas; a conversão de Saulo(Atos dos Apóstolos 9); etc. Assim também como há textos dissertativos, os quais apresentam argumentos para fundamentar, no caso da Bíblia, não suas opiniões, mas suas verdades. Exemplos: Em Êxodo 3 e 4, lemos a passagem em que o Senhor chama Moisés para libertar o Seu povo, e o israelita procura não aceitar o chamado, há uma exposição de argumentos de ambos os lados; no diálogo entre a mulher cananeia e Jesus em Mateus, capítulo 15, dos versos 21 ao 28, embora dentro de um texto narrativo, encontramos um outro dissertativo que apresenta ambos os personagens os seus argumentos plausíveis; outros exemplos podemos ver no livro de João quando Jesus expõem a Nicodemos de que forma se poderá entrar no Reino de Deus, ou quando se nomeia o “Pão da Vida”, ou a “Luz do Mundo”.

   E aqui veremos essa unidade da Palavra de Deus, pois como diz o verso-chave, “Toda Escritura”, não parte dela, tem um propósito: aperfeiçoar o homem, visto que este se encontra imperfeito por causa do pecado. Desde o início, em Gênesis, há um viés único apontando para o reencontro do homem com o seu Criador, Deus Pai.

 

SUA FORMAÇÃO

   Muitos homens foram inspirados pelo Espírito do Senhor para escreverem a Palavra de Deus, “Os autores foram reis e príncipes, poetas e filósofos, profetas e estadistas. Alguns eram instruídos em todo o conhecimento da sua época e outros eram pescadores sem cultura”. Por mais de 1.500 anos, as Sagradas Escrituras foram sendo registradas, começando com Moisés. A própria Bíblia comprova os escritos de Moisés neste versículo: “Disse mais o Senhor a Moisés: Escreve estas palavras; porque conforme o teor destas palavras tenho feito pacto contigo e com Israel” (Êx 34:27). Um dos filhos do grande rei Davi, Salomão, também é um dos escritores inspirados pelo Espírito: “Palavras do pregador, filho de Davi, rei em Jerusalém”(Eclesiastes 1:1). Assim também Lucas, o médico, participou da escrita da Palavra: “Visto que muitos têm empreendido fazer uma narração coordenada dos fatos que entre nós se realizaram, segundo no-los transmitiram os que desde o princípio foram testemunhas oculares e ministros da palavra, também a mim, depois de haver investido tudo cuidadosamente desde o começo, pareceu-me bem, ó excelentíssimo Teófilo, escrever-te uma narração em ordem. para que conheças plenamente a verdade das coisas em que foste instruído” (Lucas 1:1-4). “Estas coisas vos escrevemos, para que o nosso gozo seja completo” (1 João 1:4), João, o discípulo, também tem participação nas Escrituras Sagradas.  

 

                                                                        

 

   A distância no tempo entre o primeiro escritor e o último é milenar, “A Bíblia foi escrita durante um período de aproximadamente 1500 anos. Os cinco livros de Moisés podem ser datados de 1400 a.C. e o último livro do NT, o Apocalipse, de 90 d.C”, este último escrito pelo apóstolo João. Contudo a coerência histórica, discursiva e temática é apresentada ao longo das Escrituras. Notamos historicamente a trajetória do homem com Deus, desde o início, no Éden, até após a volta do Senhor Jesus; confirmasse, na história, que Deus nunca abandonou ou abandonará o homem até a volta de Jesus. A história humana já está escrita; o fim dela será bom ou ruim, depende da escolha de cada um. O discurso de Deus é o mesmo do início ao fi m, trazer o homem de volta à Sua presença por meio de Cristo Jesus. E Cristo Jesus é o tema, a fi gura central de toda Escritura, começa com Ele “Depois disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança...” (Gênesis 1:26a); “Antes de existir qualquer coisa, Cristo já existia, e estava com Deus (João 1:1 VIVA). E termina com Ele: “Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém; vem, Senhor Jesus” (Apocalipse 22:20).

   A formação da Bíblia foi um processo iniciado por Deus, porque é d’Ele a iniciativa de reconciliação com o homem, embora este é que tenha pecado, tenha falhado em obedecer ao mandamento do Criador. Mas pela misericórdia de Deus, somos alcançados por Ele: “Pois ele nos resgatou do domínio das trevas e nos transportou para o Reino do seu Filho amado, em quem temos a redenção, a saber, o perdão dos pecados” (Colossenses 1:13-14); é Ele quem nos chama para a Sua eterna presença: “E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá” (1 Pedro 5:10); e a Palavra confirma que Deus é quem começou todo esse processo de retorno ao lar: “E eu tenho certeza de que Deus, que começou a boa obra em vocês, continuará ajudando-os a crescer em sua graça até quando sua tarefa em vocês estiver finalmente terminada naquele dia quando Jesus Cristo voltar” (Fl 1:6).

 

SEU ASSUNTO

   Quando lemos um romance, uma obra literária, observamos que existem personagens de maior ou menor grau de importância que aparecem durante o enredo, durante a história. Porém há um personagem que é o principal, normalmente é ele quem resolve os conflitos que constam no enredo, é em volta dele que gira a história, é sobre ele que recai a maior atenção do leitor. Há também em uma obra literária romanceada algo que deve ser resolvido, temas universais que normalmente aparecem, como: a solidão, a crítica social, a traição, o amor, etc. Na Bíblia, também podemos perceber em seu “enredo” um conflito, neste caso a perdição humana, e um personagem principal que vem para resgatar o homem dessa sua situação de miséria.

   E esse personagem é Jesus Cristo, e Ele mesmo diz em Apocalipse 22 verso 13: “Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, o Primeiro e o Derradeiro”. Ou seja, Ele participa de toda a história do homem. Este nome é o mais controverso de toda a história humana, por Ele muitos já morreram, por Ele muitos já mataram. Sua importância para a Humanidade é imprescindível, pois o homem já está condenado, “...mas quem não crê já está condenado, por não crer no nome do Filho Unigênito de Deus” (João 3:18). Sem Ele não há salvação, “Eu sou a videira, vós, as varas; quem está em mim, e eu nele este dá muito fruto, porque sem mim nada podereis fazer” (João 15:5 Grifo nosso). Temos na Bíblia alguns temas expressivos como a queda do homem, sua remissão, sua salvação, porém somente por meio do nome de Jesus é que o homem pode ser erguido, perdoado e salvo!

   A pessoa de Jesus na Bíblia é tão importante que se retirarmos este versículo da Palavra, ficamos literalmente sem direção: “Jesus respondeu: —Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém pode chegar até o Pai a não ser por mim” (João 14:6 NTLH), que caminho tomaríamos, em que verdade acreditaríamos, como chegaríamos a Deus Pai, puro e perfeito? Sobre o comentário de Wycliff e, notamos o quão mister é Jesus na vida do ser humano: “Sob vários aspectos, Jesus Cristo é uma pessoa singular, sendo que o mais importante é que Ele centraliza o evangelho da graça de Deus. Ele mudou a face da história, pois através dele a eternidade invadiu o tempo”. Há na Teoria Literária uma classificação das personagens quanto ao seu caráter. A personagem pode ser plana ou redonda, plana quando não há variação do seu caráter; redonda, quando inicia mau, arrepende-se e termina boa, ou vice-versa. Jesus é assim, plano, sempre foi, é e será o mesmo, de eternidade a eternidade Ele nos é fiel.

 

SUA INFLUÊNCIA

   O que significa influenciar? É o mesmo que fazer com que o outro mude o seu modo de atuação, alterando, afetando determinadas atitudes, ou propósitos já estabelecidos, programados. Hoje em dia, a mídia tem uma importância fundamental na influência do comportamento da sociedade. Algumas celebridades influenciam de tal forma que pessoas se descaracterizam para se parecerem o máximo possível com seus ídolos. A influência pode ser tanto para o bem quanto para o mal. Muitos se vestem como Elvis Presley, outros dançam como Michael Jackson; uns cantam como os sertanejos universitários, e há os usam cabelo e barba “a la Raul Seixas”. E o que ganham com isso?

   Assim como existem várias coisas no mundo que influenciam a sociedade, assim também a Palavra de Deus, a Bíblia, tem influenciado ao longo da história humana o modo de pensar e de agir do homem. Há textos bíblicos aplicados à nossa sociedade no campo do Direito, “Números 36:7 “Assim a herança dos filhos de Israel não passará de tribo em tribo; pois os fi lhos de Israel se chegarão cada um à herança da tribo de seus pais”. Assim como na bíblia, no Código Civil brasileiro, para ser herdeiro necessário, deve ser este: Art. 1.845. “São herdeiros necessários os descendentes, os ascendentes e o cônjuge”. O Artigo 155 do Código Penal diz “Subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa”. Temos na Bíblia o mandamento “Não furtarás” (Êx 20:15).

   A influência bíblica é tão notória, que alguns ditados populares resgatam partes da Bíblia para se tornarem “verdades”, porém é necessário o conhecimento das Escrituras para não se deixar influenciar erroneamente. Quando o povo diz “É dando que se recebe”, pode-se acreditar que ao dar, nós “receberemos”, e na verdade o versículo 35 de Atos, 20, ao final diz “...É maior bênção dar do que receber” (VIVA). Assim como é dito “O dinheiro é a raiz de todos os males”, quando na verdade “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males...” (1 Timóteo 6:10). A influência da Bíblia é evidente, contudo há de se ter sabedoria para discernir o que é correto e não cometermos erros em nossos julgamentos. Um versículo de grande influência no meio evangélico, de acordo com interesses humanos, está em Marcos 11 verso 24: “Portanto, eu lhes digo: tudo o que vocês pedirem em oração, creiam que já o receberam, e assim lhes sucederá” (NVI), mas se esquecem de “Esta é a confiança que temos ao nos aproximarmos de Deus: se pedirmos alguma coisa de acordo com a sua vontade, ele nos ouve” (1 João 5:14 NVI, grifo nosso).

   Mas a influência da Palavra de Deus vai além das palavras, atinge também a forma de ver o mundo, a forma de relacionar-se com o outro. Muda propósitos na vida, desenvolve a esperança nos corações cansados, sofridos pelas dores humanas. Muitos de nós podemos dizer que fomos influenciados pela leitura bíblica, pela Palavra pregada, pela mensagem de um hino, de um cântico, por testemunhos dados sobre o poder de Deus. O pastor Hernandes Dias Lopes nos relato um fato interessante acontecido na Oceania,

Certa feita, chegou à Ilha de Fiji um ateu estadeando sua crença evolucionista a um grupo de cristãos. Com ar de arrogância, blasonando sua cultura ateia, enaltecendo sua pretensa ciência, começou a ridicularizar as Escrituras Sagradas e a menosprezar a fé sincera daqueles nativos. Imediatamente, o chefe daquela tribo dirigiu-se ao altivo ateu, dizendo: “O senhor está vendo aquele velho forno? Ali assávamos carne humana; não fosse a Bíblia e a transformação que Deus realizou em nós pela sua mensagem, hoje, o senhor seria o nosso jantar”. A Bíblia fez uma diferença tão grande naquela tribo, que o turista altivo em vez de ser o jantar, foi convidado para jantar.

   A Humanidade tem um livro maravilhoso nas mãos, um manual de instruções para operar o viver melhor; e se der pane, o mesmo manual traz todas as soluções possíveis, e até mesmo as impossíveis, para um novo conserto com o Criador. E não há discrepância naquilo que Deus deixou para o homem, a Bíblia é uma unidade temática, cujo propósito é resgatar o homem das trevas, pois ele não conseguirá sair sozinho da situação mundana. E esta Escritura Sagrada é atemporal, visto que Deus se revela a nós em todo o tempo, por isso ela mesma diz: Quem tem ouvidos, ouça!”

 

APLICAÇÃO

   É importante sabermos que a Bíblia, embora seja um conjunto de livros escritos por vários escritores por mais de mil anos, possui uma linha mestra no seu propósito, que é o de redimir o homem decaído, por meio de Cristo Jesus, prometido por Deus Pai desde o Gênesis. E se faz necessário que saibamos:

• Que toda a Escritura é divinamente inspirada pelo Espírito Santo de Deus, nenhuma parte da Bíblia foge ao que Deus quis que o homem soubesse para aprender, ser repreendido, ser corrigido e ser instruído na justiça;

• Que a sua formação não se iniciou devido à vontade do homem, mas sim devido a uma ordem do próprio Deus a Moisés em Êxodo 34:27, e posteriormente por vários outros nomes importantes na Bíblia. Ele quis que fi casse registradas as Suas palavras, as quais ecoam até hoje nos quatro cantos da terra;

• Que o assunto norteador da Bíblia é Jesus, o Alfa e o Ômega. Durante toda a leitura, a Palavra de Deus se refere a Ele, profecias sobre Ele são proferidas, Ele se apresenta encarnado, morto e ressurreto, e no fim, lá está o Cordeiro de Deus;

• Que a influência das Sagradas Escrituras atinge todas as camadas sociais, em todos os tempos e em todas as regiões da terra. Que necessitamos conhecer mais e mais a Palavra a fim de que as verdades bíblicas sejam aquelas que nos influenciem, e não “as verdades” que são construídas para dissimular a Verdade e confundir a nossa fé.

 

CONCLUSÃO

   A unidade se reflete na coerência, e isso a Bíblia apresenta nos seus 66 livros. Não vemos Deus mudando os Seus planos durante a história; não vemos Jesus desistindo da Sua missão de resgate; vemos o pecado inundando a sociedade e Jesus salvando todos que n’Ele creem. Mesmo sendo formada por homens que não eram contemporâneos, o direcionamento do Espírito Santo foi atuante desde o início das Escrituras. Não podemos ler os livros da Bíblia como se fossem isolados uns dos outros. As passagens bíblicas vão alinhavando toda a história humana diante de Deus quando falam d’Aquele que viria para lutar contra satanás (Gênesis 3:15); e que Este que viria seria o nosso Pastor que supriria todas as nossas necessidades(Salmos 23:1); e mais: para aquele que crer, Ele dará o galardão de acordo com as suas obras(Apocalipse 22:12). Gosto de dizer que em Deus há equilíbrio, e essa harmonia trinitariana na Bíblia é nítida, posto que as pessoas de Deus, Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, sempre foram e são harmônicos em tudo que realizam na existência do Universo. Que possamos participar sempre desta unidade com fé e sabedoria com o Mestre Jesus falou: “E peço que todos sejam to Santo de Deus, nenhuma parte da Bíblia foge ao que Deus quis que o homem soubesse para aprender, ser um. E assim como tu, meu Pai, estás unido comigo, e eu estou unido contigo, que todos os que crerem também estejam unidos a nós para que o mundo creia que tu me enviaste” (João 17:21).

 

QUESTÕES PARA DISCUSSÃO EM CLASSE

1. Que tipo de texto apresentado na Bíblia, narrativo, descritivo e dissertativo, chama mais a sua atenção? Por quê?

R.

2. Por que as Escrituras Sagradas não apresentam contradições nos livros entre si? O que mantém a harmonia temática bíblica?

R.

3. Quando falamos da Palavra de Deus, o que lhe vem primeiramente à mente?

R.

4. O que impede a Igreja Batista do Sétimo Dia, que estuda e pratica a Palavra de Deus, de influenciar muito mais o meio em que se localiza?

R.

5. Comente como a Bíblia influencia você diariamente.

R.

Artigos Relacionados

Reconhecimento da palavra de Deus, quarta-feira
  O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar. .   O céu e a terra passarã...
Reconhecimento da palavra de Deus, terça-feira
  Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele. .    Toda a Palavra de Deus é pura;...
Reconhecimento da palavra de Deus, segunda-feira
  Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto...
A inerrância bíblica
  As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as...