Banner da lição da escola bíblica vigentePara se se ter uma vida espiritual saudável, a busca diária através da oração e da leitura bíblica não é algo opcional. Se quisermos permanecer de pé espiritualmente, mesmo sendo bombardeados todos os dias pelo inferno e todos os tipos de tentações, é imprescindível buscar na fonte eterna, que é Cristo Jesus, forças para cada dia de batalha. Cada cidadão do Reino de Jesus deve tomar sua carne, suas vontades e lançar-se de vez, sem olhar as circunstâncias adversas.

Receba os Devocionais

  Porquanto o que de Deus se pode conhecer neles se manifesta, porque Deus lho manifestou.    

INTRODUÇÃO

   Nesta lição trataremos acerca da Revelação da Palavra de Deus, o termo revelação, significa a exposição daquilo que anteriormente era desconhecido. Na teologia, revelação é o ato de Deus manifestar a si mesmo e a sua mensagem ao homem. A principal fonte da teologia é a Revelação. Por isso é necessário estudarmos melhor acerca desse assunto. Você é convidado a mergulhar nesse universo da manifestação do Criador e Sustentador de todas as coisas, é importante ressaltar que sem essa revelação da parte de Deus seria impossível compreender sua Divindade. Portanto tudo o que temos com clareza, foi dado por Ele, que Deu-Se a conhecer, pela revelação da Palavra.

 

A REVELAÇÃO DA PALAVRA PELA NATUREZA

   “os céus declaram a glória de deus; o firmamento proclama a obra das suas mãos. Um dia fala disso a outro dia; uma noite o revela a outra noite. sem discurso nem palavras, não se ouve a sua voz. mas a sua voz ressoa por toda a terra, e as suas palavras, até os confins do mundo” (Salmos 19:1-4a). O Senhor não é indiferente à Sua criação (criatura), não rejeita a obra de Suas mãos, antes pelo contrário Se revela através dela. Pois a criação de Deus dá testemunho a Seu respeito e O revela como uma Verdade Eterna e, assim manifestando Sua própria natureza e Seus atributos. Muitos textos bíblicos podem ajudar a compreender essa verdade, por exemplo, Salmos 8:1; Salmos 50:6; Salmos 89:5; Salmos 104; Salmos 103:22; Salmos 145:10; entre outros.

   Toda a criação, todo o universo são constantes testemunhas de que existe um Deus que é acima de todas as coisas e mantenedor de tudo e de todos. Também o profeta Isaías expressa a mesma verdade: “Ergam os olhos e olhem para as alturas. quem criou tudo isso? aquele que põe em marcha cada estrela do seu exército celestial, e a todas chama pelo nome. tão grande é o seu poder e tão imensa a sua força, que nenhuma delas deixa de comparecer!” (Isaías 40:26), com essas referências fi ca claro que a Palavra é revelada através da natureza e de toda a criação, trata-se de claras, objetivas e inegáveis evidências acerca da existência de Deus, também é assim manifesto o Seu poder, autoridade, majestade, soberania e inconfundível sabedoria. Tal revelação torna o ser humano indesculpável por negar essa verdade.

   Este é um dos hinos da criação (cf. Salmos 19; 104; 139). “mas a natureza nunca é louvada em função de si mesma; não há poema lírico à natureza dos salmos. A natureza só é mencionada na proporção em que aponta para Aquele que fez todas as coisas” (H. Ringgren).

 

A REVELAÇÃO DA PALAVRA PELA PROVIDÊNCIA

   “agora, não se aflijam nem se recriminem por terem me vendido para cá, pois foi para salvar vidas que deus me enviou adiante de vocês” (Gênesis 45:5). Mesmo depois de o Senhor Se revelar através das obras da criação, Ele não deixa Sua obra à mercê da própria sorte, muito pelo contrário, o Deus que conhecemos jamais seria capaz de agir dessa forma, Ele continua cuidando de Sua majestosa criação (Salmos 104:14), Ele é um pai cheio de amor que cuida de tudo e em todo o tempo, Seu cuidado é constante, diante desse fato temos então a revelação da Palavra de Deus por meio da providência. 

   Um dos aspectos dessa providência é que Ele é quem governa o mundo, dirige a história e seus eventos ainda que por Sua vontade permissiva e Seu constante cuidado, ainda que o mundo hoje não esteja submisso à vontade de Deus é importante lembrar que nada foge ao Seu controle; “deus reina sobre as nações; deus está assentado em seu santo trono. os soberanos das nações se juntam ao povo do deus de abraão, pois os governantes da terra pertencem a deus; ele é soberanamente exaltado” (Salmos 47:8-9). Outro aspecto dessa providência é que o Senhor é Deus que preserva o que Ele mesmo criou, o próprio Davi faz essa declaração em Salmos 36:6 “a tua justiça é firme como as altas montanhas; as tuas decisões insondáveis como o grande mar. tu, senhor, preservas tanto os homens quanto os animais”.

    Há ainda o aspecto da provisão, isso porque Deus é Deus que supre todas as necessidades de Sua criação (criatura), Ele é provedor desde o Jardim do Éden, e reafi rmou essa garantia com Noé, logo após o dilúvio, veja você mesmo em Gênesis 8:22; “Enquanto durar a terra, plantio e colheita, frio e calor, verão e inverno, dia e noite jamais cessarão”. José sofreu por causa da inveja de seus irmãos, e todo sofrimento e prova dele desde a sua venda aos mercadores até o momento em que virou o governador do Egito fez parte de um plano superior, onde a visão do grande Deus era salvar dezenas, centenas e milhares de pessoas na terra. Em consequência das ações más das pessoas, Deus pode permitir o sofrimento, mas de maneira que se cumpra Sua soberana vontade, porque Ele controla tais ações (Gênesis 39:2-3,21,23), no caso de José, Deus estava agindo através dos erros de seus irmãos para preservação da vida de muitos (Gênesis 45:5).

   Nós vivemos em um contexto que grande parte das pessoas tem dificuldades de ver Deus em qualquer parte, mas num passado não tão distante, diria cerca de cem anos atrás, elas conseguiam ver Deus em tudo. A atribuição disso dá-se ao materialismo em que essa geração tem vivido e à tamanha negligência e displicência em se ensinar acerca dessa doutrina, não se anuncia mais a providência e sim a prosperidade absolutamente material e isso é tremendamente lamentável. Charles Spurgeon diz:

Parece-me que a mão de Deus na providência é tão clara quanto na criação; e embora eu esteja certo de que se estou salvo mesmo tenho de estar salvo por Deus, sinto-me igualmente certo de que todo assunto que tem a ver com todos nós na vida diária traz sobre si mesmo o sinal evidente da obra de Jeová, nosso Deus. Temos, se quisermos ser verdadeiros crentes em Deus, e quisermos evitar todo o ateísmo, de lhe dar a posição de rei nos três reinos da criação, graça e providência. É no último, porém, que penso que temos mais inclinação de esquecê-lo.

“Deus usará o que Quiser para mostrar sua Glória. Céus e estrelas. História e nações. Pessoas e problemas. ” Max Lucado

 

A REVELAÇÃO DA PALAVRA POR CRISTO

   “Há muito tempo deus falou muitas vezes e de várias maneiras aos nossos antepassados por meio dos profetas, mas nestes últimos dias falou-nos por meio do filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas e por meio de quem fez o universo. o filho é o resplendor da glória de deus e a expressão exata do seu ser, sustentando todas as coisas por sua palavra poderosa. depois de ter realizado a purificação dos pecados, ele se assentou à direita da majestade nas alturas” (Hebreus 1:1-3). Talvez não haja palavras tão solenes como essas que iniciam a carta do escritor aos Hebreus, aqui Deus Se revela em amor, Sua mais majestosa manifestação, Ele dá-Se a revelar em Cristo e Sua vontade de salvar a humanidade. A magnitude dessa passagem talvez só se equipare à de Gênesis (início) e a do Evangelho de João. jesus, em sua divindade e de glória inexprimíveis, é o Criador, Preservador e Herdeiro do universo. mediante um ato eterno de deus, jesus fez a purificação pelos pecados da raça humana, de uma vez por todas, e trouxe salvação.

   A maneira como o escritor aos Hebreus descreve o Personagem Glorioso é incomparável e incontestável, está infinitamente acima dos anjos. Ou seja, há neste contexto a exata expressão de Deus. Porque foi através da pessoa de Jesus Cristo que se tornou possível ver e ouvir tudo aquilo que o nosso Pai Celestial desejava comunicar a Seus fi lhos (homens). Foi no próprio Cristo que o Senhor encontrou a maneira de construir uma nova relação (nova aliança) com todos nós, sem que fosse possível que o “medo” interferisse. Observe, no Antigo Testamento, Deus Se revelava como um ser misterioso, distante e até impessoal, sempre falava por pessoas (porta-vozes) limitados e imperfeitos; no Novo Testamento, Ele Se revela através de EMANUEL, Deus conosco, como o próprio Cristo declara: “quem vê a mim vê ao Pai“ (João 14:9). Ele, na excelência da revelação, veio ao mundo e viveu entre os homens, como homem (João 1:14 e João 14:9,10). Em Jesus, Deus Se revela de uma maneira que é possível compreendê-lO. Assim também revela Sua vontade, salvar a humanidade.

   As manifestações de Teofania aconteciam mais intensamente até Moisés, após veio sendo de maneira gradativa substituídas pelos profetas (profecias), eles eram os responsáveis por trazer ao povo quais eram as vontades de Deus, os profetas foram até João Batista (Lucas 16:16) eles eram grandes portadores da revelação de Deus para o povo (1 Samuel 3:1-7,20; 4:1; Hebreus 1:1), era-lhes anunciado acerca da vontade e propósito do Deus Altíssimo. Depois deles veio a excelência da revelação, o meio mais extraordinário de Deus Se revelar ao homem, essa foi a encarnação do Verbo Divino (João 1:1-3, 14,18; 14:8,9; Colossenses 2:9; Hebreus 1:2). Em Jesus, a revelação de Deus teve seu ponto máximo e fi nal. E qual seria a finalidade da revelação especial de Deus? Certamente é de trazer o homem de volta a Ele, livre dos grilhões do pecado e de todas as consequências que ele (o pecado) trás.

 

A REVELAÇÃO DA PALAVRA PELA BÍBLIA

   “Toda a Escritura é inspirada por deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra” (2 Timóteo 3:16-17). 2. A revelação de Deus através das Escrituras vem expressar a respeito do caráter d’Ele, por isso ela tem poder; e sua missão é transmitir sabedoria ao homem e gerar vida no Espírito, através da fé em nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Pois a Palavra é o sopro do Espírito. Ela é viva, inspirada, infalível, fi el e claro, inerrante. Quando lemos Sua Palavra, é o próprio Deus falando conosco.

   A Palavra é o registro inspirado da revelação especial de Deus ao homem. Ela é fonte de revelação para nós. Nela podemos ouvir a Deus, conhecê-lO e a Sua vontade como se Deus falasse diretamente conosco. Nenhuma outra revelação é necessária hoje para a humanidade acerca de Deus e dos Seus planos. Nada mais a acrescentar ao registro bíblico. Apenas entender mediante o auxílio do Espírito Santo, o que já está revelado. A Escritura é a autoridade que traz indicação da exatidão que Deus estabeleceu nas informações nela contidas. Isso quer dizer que ela é totalmente confiável. Na verdade, sob o ponto de vista cristão, Deus é a autoridade máxima, suprema e absoluta, e as Sagradas Letras, ou Escrituras, é sua fonte final onde é possível encontrar a vontade e a mente de Deus.

   Podemos dizer que a Bíblia é forma material da revelação de Deus. Ela fala conosco hoje da mesma maneira que Deus falou pela primeira vez, porque como Deus, Sua Palavra é Eterna, o que nos esclarece que a maneira que Deus fala hoje é exatamente igual a que Ele falou no passado e isso vale para todo o sempre, é o texto de Efésios 2:20 e 21, que nos atesta isso, confira: “edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo jesus Cristo como pedra angular, no qual todo o edifício é ajustado e cresce para tornar-se um santuário santo no senhor”.

   Nossa fé foi inicialmente fundamentada em Jesus e nos ensinamentos que Ele mesmo deixou aos Seus discípulos, e eles a nós. Por isso a atitude d’Ele e de seus apóstolos com relação às Escrituras precisa servir e serve de base para nós, porque como o próprio Cristo cumpriu as Escrituras e delas ensinou, cabe a nós Seus servos (discípulos), anunciá-las e nelas crer, pois são em seus ensinamentos que estamos alicerçados. Quando as Escrituras são anunciadas com integridade e fidelidade, ouvimos a voz do próprio Deus. Ela deve ser nosso manual de procedimento, entendê-la deve ser nossa prioridade, pois quando a compreendemos, não erramos! (Mateus 22:29)

   A segunda pergunta do catecismo maior de Westminster diz: “Donde se infere que há um Deus? E a resposta dada é: “A própria luz da natureza no espírito do homem e as obras de Deus claramente manifestam que existe um Deus; porém só a Sua Palavra e o Seu Espírito O revelam de um modo sufi ciente eficazmente aos homens para a Salvação. Percebe-se pela declaração de Westminster, que apesar de ser possível e visível a revelação de Deus em outras situações, a Palavra é a revelação que traz a salvação n’Ele. Nós os Batistas do Sétimo Dia temos por declaração da nossa fé: “Cremos que a Bíblia é a Palavra inspirada de deus e é nossa autoridade fi nal e soberana em assuntos de fé e prática. Cremos que jesus Cristo, em sua vida e nos seus ensinos, como registrados na Bíblia, é o intérprete supremo da vontade de deus para o ser humano”.

 

APLICAÇÃO

   Depois de estudarmos acerca da revelação de Deus é preciso colocar em prática, como o apóstolo Tiago nos faz menção em sua carta no capítulo um e no verso vinte e dois: “sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos”. É preciso compreender a profundidade de ter sido esclarecido a nós acerca dos ensinamentos e da vontade do Pai Celestial. O grande objetivo da revelação de Deus é que nós possamos ter com Ele as nossas próprias experiências, a revelação não é somente para o âmbito intelectual, mas muito além disso no âmbito experimental, é preciso provarmos o sabor de estar tão próximo de Deus ao ponto de vivermos Suas Palavras e vontade. Desde os primórdios, o Senhor tem Se revelado ao homem, Ele Se revelou através da criação, ao decorrer da história, revelou-Se através da providência divina, de maneira excelente e sublime Se revelou através do Filho, que Se fez carne e habitou entre nós (João 1:14) e por fi m Se revelou deixando ao nosso alcance Sua Sagrada Letra, para que ao ouvir, o Espírito nos convença e assim passemos a viver de modo digno.

 

CONCLUSÃO   

   Se relacionar com Deus e poder participar das dádivas que isso nos proporciona é tremendamente especial. Ninguém jamais viu Deus, nem mesmo Adão antes de pecar, Moisés ousou querer ver Deus, mas a maneira de se aproximar d’Ele que temos é através de Sua revelação, como estudamos nesta lição, Ele Se revelou de várias maneiras, pela criação, pela providência, por Cristo e pela Bíblia. Podendo senti-lO através de Seus atos da revelação, convido você a provar do melhor de Deus e desfrutar de experiências imensuráveis, que o Espírito Santo te conduza a esse momento maravilhoso! 

 

QUESTÕES PARA DISCUSSÃO EM CLASSE

1. Depois de estudar essa lição, responda: Quais as formas que Ele se revelou ao ser humano?

R.

2. Como a criação revela a Deus? Responda com base nessa lição.

R. 

3. Como a providência revela a Deus? Responda com base nessa lição.

R.

4. Como Cristo revela a Deus? Responda com base nessa lição.

R.

5. Como as Escrituras revelam a Deus? Responda com base nessa lição.

R.

Artigos Relacionados

Reconhecimento da palavra de Deus, quarta-feira
  O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar. .   O céu e a terra passarã...
Reconhecimento da palavra de Deus, terça-feira
  Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele. .    Toda a Palavra de Deus é pura;...
Reconhecimento da palavra de Deus, segunda-feira
  Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto...
A inerrância bíblica
  As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as...